O 18º Congresso Internacional da Gestão, promovido pelo PGQP, recebeu as palestras do cientista-chefe na Cappra Data Science e do laboratório de big data Mission Control, Ricardo Cappra; e da presidente da SAP Brasil, Cristina Palmaka. Ambas as apresentações abordaram soluções tecnológicas e opções digitais disponíveis para auxiliar nos negócios. O evento, que tem como tema #INOVAGESTÃO – Conectividade e Boas Experiências, acontece no Centro de Eventos da PUCRS, em Porto Alegre.

Cappra falou sobre o que ele chama de revolução causada pelos dados em nossas vidas. Ele explica que o papel do cientista de dados é transformar a aplicação científica em tomada de poder. “Apenas ter acesso a muitos dados não ajuda, o essencial é analisar e separar o que é relevante”, aponta, explicando que assim funciona a inteligência analítica. Revela ainda que os televisores e telefones com tecnologia smart captam sons de voz, mesmo sem atividade, mas conectados na tomada. “Os fabricantes armazenam os dados de voz para conhecer mais os consumidores”, explica, complementando que Big Data não são apenas os dados, mas a soma das informações crescendo em três linhas: velocidade, volume e variedade.

O palestrante aponta que a tecnologia democratiza o acesso às informações. “Cada vez mais geramos informação e isso proporciona benefícios para a sociedade”, disse, reforçando a ideia de que a informação precisa ser compartilhada nas organizações. “É preciso que aconteça um processo de transformação até a chegada do conhecimento”, atesta. Ele ressalta que é importante olhar para os dados certos, contando sobre uma campanha que gerenciou nos Estados Unidos, no qual sua equipe descobriu que o problema para a falta de sangue nos bancos era uma questão de logística e não de falta de doadores. Capra declara que a inteligência artificial é o próximo passo na mudança do nosso futuro. “Os robôs precisam ser ensinados por nós. Os empregos não vão desaparecer por causa da tecnologia, mas as funções vão mudar”, afirma, dizendo que ensinar a máquina é responsabilidade dos seres humanos. “Se o presente é digital, o futuro é inevitavelmente analítico”, diz.

Cristina, presidente da SAP Brasil, falou sobre soluções de tecnologia na prática para otimização de resultados. “Todas as empresas serão também de tecnologia”, prevê, afirmando que as organizações precisam se reinventar para atender as necessidades dos clientes.

Ela assegura que mesmo com os avanços tecnológicos, a ação humana será fundamental. “Com todos os dados coletados, as pessoas ainda são a peça mais importante para a análise e compreensão das informações”, defende, argumentando que o momento da inovação tecnológica é agora, pois os instrumentos estão acessíveis, factíveis e viáveis. Cristina diz que a SAP é responsável por tangibilizar os dados e transformar em informações que possam ser usadas positivamente para simplificar, mapear o problema e gerar soluções.

fonte: http://www.qualidade-rs.org.br